Quarta-feira, 23 de Maio de 2012

Lembram-se desta história?


A 31 de Julho de 1932 foram declarados os resultados das eleições para o Reichstag.

O NSPAD liderado por Adolphe Hitler obteve 37,4% dos votos e 230 lugares no Parlamento alemão. O SPD perdeu votos em relação às últimas eleições de 1930. O KPD, alinhado pela URSS, assim como os católicos do ZENTRUM subiram ligeiramente. Mas, marcante, mesmo, foi o colapso dos partidos da burguesia, do centro e da direita que apoiavam o então Chanceler  Franz Von Papen (na foto, sentado no banco de trás, já com Hitler Chanceler do Reich, no dia 1º de Maio de 1933).

No dia 13 de Agosto de 1932 as exigências de Hitler para assumir o cargo de Chanceler e de uns quantos ministérios estratégicos para os nazis esbarrou na negativa do Presidente Hindenburg.

Hitler queria o poder a todo o transe, e todo, mas tal desiderato passava pelo Presidente do Reich.

Não podendo ter o seu apoio, lançou-se então numa oposição desenfreada contra o governo, que defrontava no parlamento uma maioria negativa, formada pelos nazis do NSPAD e pelos comunistas do KPD.

Na última sessão do Reichstag, de 1933, a 12 de Setembro só havia um ponto na Ordem dos Trabalhos, uma declaração do governo sobre a situação financeira. Inopinadamente, o deputado comunista  Ernst Torgel, propõe uma alteração à OT: Revogação dos decretos de emergência  de 4 e 5 de Setembro, sobre relações laborais, ponto ao qual associava uma Moção de Censura ao Governo.

Isto gerou uma confusão brutal. Hitler cedo percebeu que a iniciativa dos comunistas lhe interessava e não impediu que fosse para a frente, mesmo com atropelos regimentais. Como o Presidente do Reichstag era o seu homem de confiança e companheiro de partido, Herman Göring, nada impediu que se pudesse proceder à votação da Moção dos Comunistas. Resultado final: 512 votos a favor e, apenas, 42 contra. Somente o DVNP e o DVP apoiaram o governo. Nem mesmo os católicos do ZENTRUM o fizeram. O governo implodiu e a dissolução do Reichstag, já prevista por Hindenburg, que tinha assinado o decreto para tal a 30 de Agosto, mas que Von Papen se "esqueceu" de entregar ao Presidente Göring em tempo adequado, foi logo ali declarada por este.

O que se lhe seguiu é, mais ou menos, conhecido.

Mas, o que importa relevar aqui, é a associação entre nazis e comunistas.

Dando um salto no tempo, noutra geografia, este episódio recorda-nos a maioria negativa que defrontou em 2009 o governo de José Sócrates e que, em 2010, decidiu transformar-se em coligação negativa e chumbou, em bloco, o P.E.C. IV, que visava sanear as finanças do Estado. Estiveram nessa infausta, quanto funesta, coligação negativa, os comunistas do PCP, os esquerdistas do BE, os populares do CDS/PP, os sociais-democratas do PPD/PSD e os "ecologistas" de Os Verdes!

A história não se repete, mas tem semelhanças, parecenças.

Não acham?

tags:

publicado por weber às 16:45
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Lembram-se desta história...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...