Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009

José Rentes de Carvalho

Ácido, como só ele sabe ser, no seu melhor.

Pode lê-lo aqui por que tem um link e, de seguida, por inteiro:

«Anos atrás, na Holanda, um sujeito da publicidade deu-se conta que, aplicando-lhe as regras do marketing, o facto da sua jovem esposa sofrer dum cancro e ir morrer em breve, resultaria num best-seller. Meu dito meu feito. Enxertou no relato umas especulações filosóficas, contabilizou os adultérios que lhe apeteceu fazer (ou inventou ter feito) enquanto a mulher agonizava, cobriu o todo com o molho conveniente e, de facto, vendeu-se em redor do mundo mais de um milhão desse curioso testemunho, estão a rodar dele um filme, vai haver uma série na televisão. (*) 

Agora é um poeta canceroso sobre cujo livro José Mário Silva escreveu no Expresso coisas profundas: "Previsivelmente, o centro geométrico desta sequência de poemas está no quarto – o espaço do confinamento, o «recife» onde o corpo naufragou e espera a sua sorte. Como única companhia, o sujeito poético tem o tempo. Um tempo que se expande e se sobrepõe a tudo («fundo de um poço / sem fundo que aqui invade a matéria»), lento trânsito das horas que altera a própria percepção da realidade."

Não li os poemas, só o artigo, mas hoje tudo me deprime. Além de que me mordo de raiva pelo facto de três anos atrás, quando fui operado a um cancro, não me ter ocorrido que poderia mudar isso em mina de ouro ou arte poética.

Ainda bem que a meio do dia fui aqui de visita e à Ana agradeço o neste momento me sentir menos só.»

---------------------

(*) Ray Kluun, Love life – de coração aberto. Traduzido do inglês por Manuel Alberto Vieira. Lisboa: Presença, 2009.

 

tags:

publicado por weber às 12:48
link do post | comentar | ver comentários (4)
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. José Rentes de Carvalho

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...