Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2011

O terror, como instrumento do leninismo

Já bastante se escreveu, sobre o terror, a violência, como instrumental na conquista do poder e na sua posterior manutenção.

Qualquer que seja a ideologia que a estes processos subjazem.

Contudo, para amadores e ingénuos, parece ter havido uma espécie de dicotomia entre Estaline e Lenine. Este seria o "pide" bom da história e aquele o mau da fita, responsável por uma deriva totalitária e inumana, prenhe de milhares de assassinatos bárbaros e hediondos.

Nada de mais errado.

Marx e Engels teorizaram sobre o papel da violência na história, que, alavanca vigorosa, funcionaria como parteira de novas realidades.

Assim tinha sido no passado, assim seria para o futuro da revolução proletária...

É exactamente Lenine que o ilustra.

Marc Ferro, historiador, francês, relata no seu livro sobre "O ressentimento na história" uma carta trocada entre Lenine, e de sua autoria, e Zinoviev, na altura, responsável pela Tchecka  de Petrogrado.

Recupero post já editado, mas que nunca me parece demais rememorar:

«Insiste-se, aqui e acolá, menos hoje que ontem, mas, ainda assim, insiste-se que o verdadeiro terror na Rússia Bolchevique foi inaugurado por Estaline, o "pai dos povos".

Num livro interessante, que ando a dedilhar, de Marc Ferro, o autor publica um pedaço duma carta do chefe da revolução, Lenine, a Zinoviev, um dos mais brilhantes e cultos intelectuais bolcheviques, sobre este tema.

Em Junho de 1918, manifestando a sua inquietação face ao aumento do terror, a Tchecka, a policia politica da revolução ( os seus dirigentes máximos...) sugeriam reter, amenizar, o braço dos seus promotores, exactamente, a própria Tcheka!

Isto é, aparentemente, contraditório.

Lenine escreve  a Zinoviev, primeiro responsável pela Tcheka em Petrogrado e fá-lo nestes termos: " Protesto firmemente. Comprometemo-nos. Não podemos hesitar na aplicação das nossas resoluções, quando se trata de ameaçar com o terror de massas os deputados dos sovietes. Mas, quando se trata de passar aos actos, refreamos a iniciativa revolucionária das massas, inteiramente fundamentada.

Não é possível.

Os "terroristas" contrarevolucionários vão considerar-nos uns papa-açordas. É preciso encorajar a energia e a natureza de massas do terror, particularmente em Petrogrado, cujo exemplo tem de ser decisivo."

O comentário de Marc Ferro é significativo e, ao mesmo tempo, feroz para Lenine: 'Uma atitude que anuncia a posição de Hitler a respeito dos massacres.'»

Eu, pessoalmente, dispenso-me de quaisquer comentários.A história do leninismo, das revoluções inspirados por este e a praticada no seio dos partidos leninistas...aí está para o demonstrar e ilustrar.

Foto - Da esquerda para a direita: Estaline, Rykov, Lenine e Zinoviev.

tags:

publicado por weber às 17:32
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. O terror, como instrument...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...