Domingo, 5 de Fevereiro de 2012

A gente lê e...quase não acredita

Judite de Sousa, jornalista, há um ano na TVI, saída da RTP, conta a Ana Mota Ribeiro, sua colega no jornal Público como fez parte da narrativa com os quatro maiores banqueiros portugueses, e como estes fizeram parte da narrativa politica que obrigou Sócrates a pedir apoio financeiro ao BCE, à UE e ao FMI.

Assume, claramente, que houve "concertação".

Uma jornalista a empenhar-se, a tomar "partido", a ser actor da história politica recente!...Lê-mos e, espantados, quase que não acreditamos.

Abeire-se da conversa e confirme.

E em directo:

"Refere-se às entrevistas aos presidentes dos principais bancos?
Muitas pessoas não perceberam por que é que andava a entrevistar banqueiros todos os dias. A verdade é que as entrevistas foram feitas numa segunda, numa terça, numa quarta e numa quinta; 48 horas depois, o primeiro-ministro estava a pedir ajuda financeira. (…)
A ideia de fazer as quatro entrevistas foi uma espécie de xeque-mate à chegada? Um modo de dizer que era capaz de mobilizar quatro dos homens mais poderosos do país e intervir na cena política portuguesa?
Foi. Foi intencional. (…)
Contacta os assessores de imprensa? Não pega no telefone para falar directamente com Fernando Ulrich?
Com alguns, trato directamente. Com o Fernando Ulrich falo directamente; talvez por ter sido jornalista, há um tipo de relação diferente. Mas não falo directamente com o Ricardo Salgado, passo sempre pelo Paulo Padrão [assessor]. As respostas surgiram logo no dia seguinte. Só mais tarde vim a perceber que aproveitaram o meu convite para acertar uma posição conjunta de forma a fazer um ultimato a José Sócrates. Acabei por, com aquelas entrevistas, fazer parte de uma narrativa que foi meticulosamente preparada pelos banqueiros."


publicado por weber às 17:26
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A gente lê e...quase não ...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...