Segunda-feira, 14 de Maio de 2012

Eutrapelia

José Mattoso, em texto cheio de brilho, erudição e bom senso, num livro, que mais parece uma despedida, "Levantar o Céu", editado na Temas e Debates, dedica a este étimo grego, tão do agrado do seguidor do Estagirita, S. Tomás de Aquino, umas quantas considerações pertinentes.

Mas o que me sobresaiu foi a "recuperação" de poesia, da, provavelmente, mais arguta e competente pessoana que a nossa Universidade produziu: Teresa Rita Lopes.

Amiga do historiador e então colega na Comissão Instaladora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, nas suas horas de prazeiroso lazer, cuidava de poetar.

Aprecie-se este poema, daquela catedrática, recuperado e publicado pelo nosso decano dos historiadores, e o mais brilhante da sua geração:

 

E eles falam de si   de coisas sérias

fazem chiar os gonzos bem oleados

das suas vidas pintadas de fresco

[...]Tão impecáveis   tão fatos escovados

antecipam o morto que serão um dia

decentemente bem posto    bem calçado

 

[...]

Mas de repente [...]

nos inventamos [...]

um quintal

um sobrado um telhado

um esconderijo roubado à infância

inventada

 

Nossas mãos se encontram[...]

se riem deles   tão absurdos   tão adultos

tão cómicos

 

 

Combinamos meter-lhes

um rato

no sapato.

 

"Dias Quietos"

(Teresa Rita Lopes)

 

José Mattoso recusa-se a traduzir o étimo grego, para não lhe tirar o valor único, que nessa língua o habita.

Eu também não irei por aí, mas por outras razões, que não são as do autor.

Leiam o livro do Mestre da historiografia.

É um puro deleite, com facetas pessoais, à vista, de quem mal o conhece.

Imperdível.


publicado por weber às 15:27
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Eutrapelia

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...