Domingo, 6 de Novembro de 2011

"Depois do grego o latim"

Este titulo foi manchete do Liberation, reflectindo sobre a crise soberana da UE, da zona Euro, melhor dizendo.

Ferreira Fernandes pega neste quase mote e, bumba, dá-nos uma crónica e peras, que pode sorver aqui.

"Adolescente nos anos 60, tinha a convicção comum à minha geração: o mundo só podia ir para melhor. Com Imagine de música de fundo e o PIB dos países da OCDE sempre a crescer - as 30 gloriosas, como o economista Jean Fourastié chamou às três décadas seguintes à II Guerra Mundial -, o futuro era radioso. Depois vieram os choques do petróleo, 1973, 79, 91, 2008, e ficámos aves marinhas depois de naufrágio de um petroleiro - com as asas impróprias para o imaginar e sonhar da canção de Lennon. Mas nem essas lições me prepararam para os dias de hoje. Papandreouamos todos, entre o dracma e o drama, e, agora que até a Itália abana, tudo parece a tragédia clássica ontem anunciada na capa do jornal francês Libération: "Depois do grego, o latim." Como cabecinhas pensadoras, estamos falados: uns falhados. Restava-me a ilusão do corpo: o homem era cada vez mais capaz de mais rápido, mais alto e mais forte. Pois nem isso, diz o antropólogo australiano Peter McAllister. Medindo as pegadas de aborígenes australianos, de há 20 mil anos, ele calculou que corriam a 45 km/hora, mais do que Usain Bolt. E pelas fotos, de há cem anos, de ritos perdidos dos tutsis, tribo da África Oriental, eles saltavam 2,52 m, mais 7 cm do que o actual recorde mundial. Esta decadência corporal tem explicação: o que move Bolt são os 300 mil dólares por corrida; o que movia o aborígene era comer ou ser comido. Se calhar isso também nos explica e a Grécia."


publicado por weber às 12:39
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. "Depois do grego o latim"

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...