Quarta-feira, 13 de Junho de 2012

A Dinamarca, "justa" entre os povos

Ficou, na história da 2ª Guerra Mundial, como um dos raros exemplos de um povo inteiro que protegeu e defendeu com sucesso os seus judeus.

Antes de ser invadida pelos lobos nazis da Wermacht, transportaram a totalidade dos judeus dinamarqueses para a Suécia neutral. Toda a gente colaborou.

É um dos momentos mais nobres dessa monstruosidade praticada pelos alemães às ordens de Hitler e da sua ralé.

Retirado da Wikipédia:

"Na Dinamarca durante a segunda guerra mundial

Quando a Wehrmacht invadiu a Dinamarca em 1940, Os dinamarqueses logo perceberam que o confronto militar mudaria pouco a situação a não ser o número de dinamarqueses sobreviventes. O governo dinamarquês portanto adotou uma política oficial de cooperação (e não-oficialmente de obstrução) que eles chamaram de "negociação sob protesto." Na frente industrial, trabalhadores dinamarqueses atrasaram sutilmente toda a produção que alimentaria a maquina de guerra alemã, as vezes com um perfeita paralisação da mesma. Na frente cultural, os dinamarqueses engajaram se em um desafio simbólico com a organização de celebrações em massa de sua história e tradições. Na frente legislativa, o governo dinamarquês insistiu que desde que eles oficialmente cooperaram com a Alemanha, eles tinham o direito de negociar com os a Alemanha, e então produziram difíceis situações burocráticas que bloquearam as ordens da Alemanha sem ter que se recusar a obedece-las. As autoridades dinamarquesas também provaram se convenientemente ser ineptas em controlar a impressa de resistência dinamarquesa, que em determinado tempo atingiu o número de circulação equivalente a inteira população adulta da dinamarca. O governo Dinamarquês deu também incentivo (e mesmo o auxílio secreto) aos grupos de resistência envolvidos na sabotagem da maquinaria e as linhas de trem necessitaram para extrair os recursos dinamarqueses ou fornecer-los ao Wehrmacht. Alguns podem discutir que a classificação deste tipo da resistência como o “não-violenta”, mas é um ponto forte a se ponderar que na teoria da não-violência conservar a vida destruindo o material inanimado que está a ponto de ser usado para destruir a vida humana. Mesmo após a dissolução oficial de seu governo, os dinamarqueses continuavam a obstruir os objetivos alemães sem recorrer ao derramamento de sangue. Grupos subterrâneos contrabandearam cerca de 7000 até 8000 Judeus da Dinamarca temporariamente para a Suíça, com grande risco pessoal. Os trabalhadores (e mesmo cidades inteiras como Copenhagen) formaram greves em massa, se recusando à trabalhar para o benefício dos ocupantes nos termos dos ocupantes. Depois que uma resposta inicial de repressão, os alemães preocupados com a guerra abandonaram os esforços de contra-ataque. A resistência dinamarquesa contra os Nazistas provou ser bastante efetiva, mas levantou questões sobre a eficácia da não-violência. Os dinamarqueses perderam poucas vidas, enquanto permitiram e drenaram os seus ocupantes estrangeiros. Mas algumas pessoas se perguntam se a estratégia dos dinamarqueses não poderia falhar totalmente se aplicada em outro países ocupados pelos Alemães e onde as forças Alemãs governaram através do puro terror. É quase certo que isto provou ser um estratégia mais dolorosa para os dinamarqueses em tais circunstanciais (como no caso da resistência não violenta contra o apartheid na África do Sul que teve um sucesso agonizante), mas como no caso da solução de Gandhi uma total rendição do globo aos Nazistas seguindo-se da perfeita não-cooperação global com eles, muitas questões sobre a eficácia permanece no reinos das hipóteses. E devido à natureza descentralizada e variada da advocacia pela não-violência, perguntas sobre a compatibilidade possível com resistência violenta, ou mesmo sobre definições mais precisas “das táticas de não-violência” não têm nenhuma resposta categórica."

Foto - Barco dinamarquês, Lurifax, actualmente em exposição no Museu do Holocausto nos EUA, que foi utilizado para transportar judeus para a Suécia. Salvaram-se 8 000 judeus, a totalidade da comunidade israelita da Dinamarca.

tags:

publicado por weber às 15:47
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. A Dinamarca, "justa" entr...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...