Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

Alguns jornalistas portugueses e o queijo suiço

Alguns jornalistas portugueses cavalgam a teoria da isenção, da neutralidade da sua actividade.

Fazem-no como os suiços o fizeram para a sua "neutralidade" militar, o que lhes permitiu afastarem-se dos horrores e das tragédias bélicas que assolaram a Europa no século XX, mas também lhes permitiu encherem de modo obsceno os cofres dos seus bancos e os bolsos dos seus banqueiros.

Mesmo neste caso a neutralidade pode ser ilustrada com o queijo suiço, aquele que tem mais buracos do que queijo...

O João Lopes, no seu blog, escreveu um notável texto

sobre o melindre e a fantasia da neutraliadde assumida pelos jornalistas anti-socráticos, que não gostam, definitivamente, do primeiro Ministro de Portugal, na Comissão de Ética que está a avaliar o estado da liberdade de expressão em Portugal.

Leiam-no já de seguida:

«1. Portugal, Fevereiro de 2010. Um dos sinais mais dramáticos da pobreza (para não dizer vazio) do debate público sobre o papel social do jornalismo é um duplo pressuposto instalado: primeiro, os políticos são potencialmente corruptos; segundo, os jornalistas são obrigatoriamente angelicais.

2. Não é fácil sair deste maniqueísmo, quanto mais não seja porque, encontrando resistência, a ideologia mediática dominante — o seu poder é esse: dominar — tende a empurrar-nos para uma espécie de maniqueísmo simétrico. Como se se tratasse de "demonstrar" que pode haver políticos honestos e jornalistas corruptos...

3. Tudo isso é uma argumentação possível. Mas não chega. De facto, o cerne da questão reside num dos maiores e mais obscenos recalcamentos instalados na sociedade portuguesa: o de que ser jornalista é trabalhar a partir de um lugar imaculado e, mais do que isso, incontestável a que só se pode dar o nome de neutralidade.

4.Ora, ninguém é neutro. Ninguém. A começar pelo jornalista. Como qualquer observador/relator, ele é alguém que escolhe: escolhe o que olhar, de onde olhar, para onde não olhar; escolhe o que dizer, como dizer, como evitar dizer. O que o jornalista produz não é uma "fotocópia" da realidade, mas sim uma construção narrativa (por palavras, imagens, etc.) que existe como uma nova realidade que se vai somar àquela de onde partiu.

5.Reconhecer isto não é lançar nenhuma suspeita sobre a actividade jornalística. Bem pelo contrário: é reconhecer a sua complexidade prática e conceptual, celebrando também a sua imensa responsabilidade narrativa, simbólica e filosófica. Por isso, cada vez que um jornalista nos quer convencer da sua virgindade cognitiva — "olhem para mim a dar-vos um ponto de vista que não podem contestar" —, acontece uma mentira. Não necessariamente factual, mas ontológica.»


publicado por weber às 11:39
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Os pré-factos

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...