Sábado, 4 de Junho de 2011

A dúvida

 

Até na conjuntura o filósofo Anselmo Borges acerta.

Neste tempo de incertezas, o tópico que ele "elege" é, exactamente, a "dúvida".

Texto denso, perigoso, por que nos obriga a questionarmo-nos, mas de uma actualidade visceral e religiosa, no sento de escrupulosa, que é o seu sentido único e exacto.

Leiam-no aqui que vos faz, seguramente, muito bem e, até domingo, ajudar-vos-á a meditar e a...ficar com mais dúvidas.

Es este pedaço para vos dar asas:

«A dúvida coloca-nos ao mesmo tempo para lá dos dogmatismos fundamentalistas e dos cepticismos niilistas, pois põe-nos em marcha, na pergunta radical, para a busca da verdade. Com o eclipse dessa pergunta, desaparece o sentido do mundo e da dignidade humana, pois a humanidade sucumbe à imediatidade, a uma visão fragmentária do aqui e agora. Infelizmente, talvez seja isso que realmente está a acontecer, como constatou já o marxista heterodoxo e ateu religioso Ernst Bloch: "Está a concretizar-se o que Nietzsche profetizou para o século XX: Vamos ao encontro de uma época de terrível miséria. Com subprodução de transcendência."»

tags:

publicado por weber às 11:56
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. O texto essencial

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...