Sábado, 21 de Janeiro de 2012

São os números, esses malfadados empecilhos

Os economistas, quando querem contornar a realidade (os políticos pediram-lhes de empréstimo esta falácia...), ou reinventá-la, o que é que fazem?

Usam as estatísticas, os números, pois.

O cronista do DN deixou-se levar pela falácia dos números, produzidos por Cavaco Silva e produz inferência desajustada.

Bem, desajustada talvez não seja o termo acertado, mas ao lado da realidade financeira do nosso PR.

Nesta coisa numerária é preciso escavar mais fundo.

Primeiro: o que disse, na realidade, o senhor Silva? Que as reformas que tinha não chegavam para as despesas, as suas.

Vários cenários se colocam, aqui.

Que tipo de despesas tem o contabilista de Boliqueime? Se são superiores aos seus rendimentos, vários cenários se colocam. Ou tem, ainda, outras fontes de rendimento; ou alguém suporta os diferenciais por ele; esse alguém, pode ser a mulher, os filhos, os amigos, ou, quiçá, o próprio Estado que não que ver o seu PR endividado. Para isso, já basta a dívida soberana, a pública e a privada.

Mas a crónica, que pode ler  aqui tem um boa intenção e um bom conselho: "gaste menos, senhor Presidente". Ora aqui está um acertado conselho, um interessante sugestão, que se pode inspirar no que ocorre com grande parte dos portugueses.


publicado por weber às 11:52
link do post | comentar
partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. O reformado de Boliqueime

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...