Quinta-feira, 8 de Setembro de 2011

Filipe Nunes Vicente

É um psi de Coimbra, com alguns tiques coimbrinhas, mas que pensa, produz pensamento e publica-o.

Temos coisas em comum, tragédias vividas.

Entretanto zanguei-me com um colega dele, no outro blog que navegava em mares mareados.

Mudou-se e em boa hora o fez.

Começo a relê-lo...e com proveito.

Este texto é de um presciência, que há-de confirmar-se...em breve.

Degustem-no por aqui

O titulo é um achado, pois refere-se às festividades do "centenário" deste governo: largos anos tem cem dias.

Apoiante de Manuela Ferreira Leite, sempre achou esta ganapada do governo, um bando de pardais à solta, a debicar onde assentassem.

Vale a pena lê-lo de um trago:

«QUANDO LARGOS ANOS TÊM CEM DIAS:
Quando MFL venceu Passos Coelho nas directas,  a facção compreendeu rápido. Uma senhora de rosto marcado e casacos antiquados, sem queda para a oratória e carrancuda, seria presa fácil de Sócrates, o mediático, que , ainda por cima, negava  a tormenta próxima. À cautela, a facção tratou de fazer o trabalho. Pelo país, Passos anunciava TGV's  de mão de obra nacional, Nogueira Leite desancava nas propostas económicas da equipa de MFL, o DN funcionava como um eficente jornal de campanha ( com os tais jornalistas isentos que hoje são assessores ou passistas  final e ferozmente  assumidos). Os mais imaginativos até viram no Belemgate a machadada final  no PSD de Manuela.

Quando a crise apertou e sete anos de PS socrático estiolavam, a facção amolou a faca. Na altura certa, deu o golpe  com  a colaboração da esquerda parlamentar. Um rio de promessas, todos os cortes eram fáceis, as políticas a seguir eram óbvias, a mudança uma coisa genética e auto-evidente. O desmentido passa ser um modo de vida, mas a facção pode bem com isso.
Quando estão quase a passar cem dias, a facção  faz, agora  sim, uma grimace. Refila  porque  ele há muitos barões que falam demais. Estas coisas é que interessam à facção , nascida para a mecânica das distritais e alçada nas agências de comunicação . É natural, porque uma facção ( não confundir com o governo todo, porque há lá gente  de bem)  não deixa de ser  um guinhol de interesseiros  só porque uma crise económica a enfiou no poder. Não entendem, revoltam-se, encomendam artigos, blogues, posts.
Quando a poeira  assentar, uma  coisa é certa: uma facção no poder  só tem uma fracção do poder
tags:

publicado por weber às 14:27
link do post | comentar
| | partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Filipe Nunes Vicente

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...