Domingo, 23 de Maio de 2010

Bacalhau com quase todos

O "correio preto", pela pena de Emídio Fernando publica um interessante texto sobre o jornalismo à portuguesa.

É uma opinião singular, mas que merece ser tomada em conta.

O texto foi lido pelo Miguel Abrantes e pelo João Magalhães, que sobre ele produziram "comentário", que pode ver aqui e aqui.

O Miguel mostra-se quase de acordo, mas o João nem por isso.

Onde reside a divergência: na motivação primeira, nas "audiências".

Na industria da comunicação social,l os leitores, os ouvintes, os espectadores, a sua quantidade determina a rentabilidade/viabilidade do negócio.

Parece evidente.

Veja-se o caso recente do i.

Contudo o modus operandi dos jornalistas, dos órgãos de comunicação social, no que às linhas editoriais diz respeito, não se motivam. mobilizam por este único critério. É o que subjaz à teses do João Magalhães.

E eu estou de acordo.

Só que uma e outra estão fortemente relacionadas.

Veja-se, por exemplo, no Publico, ao tempo do falecido Zé Manel Fernandes, director, a insistência numa certa "agenda" levou ao descalabro do negócio.

Veja-se ao invés, o Correio da Manhã, que tem vindo a "agudizar" a linha editorial, ao modo denunciado pelo Emídio Fernando, que tem vindo a melhorar, consistentemente, a sua performance de negócio.

 


publicado por weber às 13:33
link do post | comentar | ver comentários (2)
| | partilhar

.pesquisar

 

.posts recentes

. Bacalhau com quase todos

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...