Domingo, 5 de Julho de 2009

Resposta a Pessanha, que muito agradeço

para o J. A.


Espera-se das rosas bravas
que não obedeçam aos ritmos
sazonais. Que façam a sua precoce
ou tardia floração ao primeiro ou
derradeiro dia de morna ventura,
sem canteiro nem cuidados, espinhos e hastes
escondidos em qualquer velho muro ou
jardim perdido. Não importa se o vento
as desfolha ou a neve as petrifica
se lograram bravas rosas o engano de florir
sempre que alguém lê esse poema.


I. L.

 

Rosas bravas, brancas, do sopé da Serra da Arrábida.

tags:

publicado por weber às 12:09
link do post | comentar
| | partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...