Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

A geografia é que comanda o mundo: os seis ferolhos do mundo

 

Os estreitos de Malaca, Ormuz e do Bósforo, integram, com os do Panamá, Suez e Bab-El-Mandeb os seis "ferrolhos", "chokepoints", por onde circulam a quase totalidade da "commodity" essencial da nossa vida,

 actual:  o petróleo, o crude; os gigantescos petroleiros que demandam os portos da nossa "civilização" circulam, quase todos, por aqui.
Para termos uma ideia do que ocorre em cada um destes estreitos, os números falam por si:
1/ Canal do Panamá - 0,5 milhões de barris/dia;
2/ Canal do Bósforo - 2,4 milhões de barris/dia;
3/Canal do Suez - 3,3milhões de barris/dia;
4/Bab-El-Mandeb - 4,5 milhões de barris/dia;
5/Malaca - 15 milhões de barris/dia;
6/Ormuz - 17 milhões de barris/dia.
Já o nosso D. Manuel I instruía o Leão dos Mares, o grande Almirante, Afonso de Albuquerque, nos primórdios do século XVI para controlar, exactamente, Malaca (há pouco promovida a património mundial), Ormuz e Aden, nas proximidades de Bab-El-Mandeb. O Almirante desincunbiu-se de todas as ordens, menos de Aden: este nunca conseguiu tomar!
O que é deveras singular é que há, aproximadamente, cinco mil anos que as grandes "commodity" passam quase todos por estes lugares.

O ciclo do incenso, 2500 anos a.C; depois, a seda que chegava à Roma imperial através do Pacifico, Índico, Mar Vermelho ou Golfo Pérsico e Mediterrâneo (desde Alexandria até à "bota", futura Itália); mais tarde, bastante depois, foram as especiarias, controladas pela "entente" que integrava os egípcios, os mamelucos e Veneza; Portugal, com o "Plano Índia" baralhou as rotas e, finalmente, a Holanda, já no século XVII.

Num lapso curto de tempo,  um ciclo da prata dominado pelo império espanhol das Américas impôs-se.

A partir de 1700 emerge uma cabaz de novas "commodity", que fariam o triunfo dos ingleses: café, açúcar, chá, algodão e ópio.

Já no nosso século XX assistimos ao ciclo do petróleo e à emergência dos USA como potência hegemónica. Muitas das rotas de hoje são decalcadas das da seda ou das especiarias e os "gargalos" estratégicos continuam a ser os mesmos.
Percebe-se, quem não queira fechar os olhos, entre outras coisas importantes, o que significa, neste concerto , o Estreito do Bósforo e o de Dardanelos, que ligam o Mar negro ao Mar Egeu .

Por aqui passam, todos os anos, 50 mil navios e 5 500 petroleiros. No seu ponto mais estreito, apenas 700 metros separam as suas margens.
A integração da Turquia na U.E., em meu entendimento não será só um desígnio histórico, civilizacional, para nós. europeus. Mas, e sobretudo, para os nossos interesses energéticos imediatos.
Geremek, político e académico polaco, falecido faz pouco tempo, num estúpido acidente de viação, dizia uma coisa deveras interessante: "Já construímos a Europa. Agora precisamos de construir os europeus".
 

Façamos, pelo menos, da Turquia uma parte fundamental da Europa.

Percebe-se melhor, neste contexto, a actividade intensa dos piratas somalis, à saída de Aden.
É óbvio que vai ser difícil fazer dos turcos europeus...mas vale a pena tentar.

J.A.

Fotos de Ormuz e Malaca.


publicado por weber às 16:21
link do post | comentar
| | partilhar
:
De Logros a 29 de Junho de 2009 às 19:36
Gostei desta boa síntese dos "ferrolhos". E como nela desfilam tantos séculos até aos piratas actuais e à adesão turca à UE.
Só que os ferrolhos naturais, parece que sempre estiveram na mira de "aferrolhadores".:))

Uma história bonita de "ferrolhos" foi uma célebre batalha, talvez Salamina, onde os gregos derrotaram a poderosa e invasora armada persa. Estes tinham barcos grandes, ao contrário dos gregos que tinham barcos pequenos para se moverem no meio das suas ilhas. Depois há um célebre desfiladeiro das Termópilas, onde os barcos persas, pelas suas dimensões ficam encurralados e são vencidos pelas pequenas embarcações gregas.
Lembro-me disto, do Secundário. Eu sempre adorei ver David vencer Golias.
Deve ser por isso, que me lembro, a propósito de estreitos e "ferrolhos".
Obrigada por este seu texto.

I.


De weber a 29 de Junho de 2009 às 20:59
E está muito bem lembrado.
E não me diz nada da sua saúde:
Já está bem?
Do ponto de vista da escrita...continua em forma.
E o corpo que estava com aquela arreliadora constipação?!
Cuide de si,
Abraço,
J.A.


De Logros a 29 de Junho de 2009 às 22:30
Já respondi no outro lado.

I.


Comentar post


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...