Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

Omar Khayyam: persa e muçulmano.

Noite, silêncio, folhas imóveis;

imóvel o meu pensamento.

Onde estás, tu que me ofereceste a taça?

Hoje caiu a primeira pétala.


Eu sei, uma rosa não murcha

perto de quem tu agora sacias a sede;

mas sentes a falta do prazer que eu soube te dar,

e que te fez desfalecer.

 

Acorda... e olha como o sol em seu regresso

vai apagando as estrelas do campo da noite;

do mesmo modo ele vai desvanecer

as grandes luzes da soberba torre do Sultão.

 

Omar Khayyam

 

Nasceu em 1048 e morre em 1131.

Foi matemático, astrónomo e poeta. 

tags:

publicado por weber às 18:24
link do post | comentar
| | partilhar
:
De Logros a 22 de Junho de 2009 às 23:57
Lindo. "Uma rosa não murcha perto de (...)

Antológico, este persa. Suponho que tenho para aí umas "Canções de Beber", da sua autoria.
Em 1986 vi, na então ainda Berlim-Oriental, no Museu Pergamon, a reconstituição da sala do trono do rei Dario. Um espanto de grandiosidade e beleza.
Ao lembrarmos estas coisas, é que calibramos a vacuidade de certas refregazinhas quotidianas.

Abraço. Até amanhã.

I.


De weber a 23 de Junho de 2009 às 01:03
Aqui nos entendemos, plenamente.
Mais um poeta, enorme, que cultiva a rosa.
Até amanhã.
J.A.


Comentar post


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...