Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

Robert Musil: De La Bêtise

Robert Musil foi noticia,  em Portugal, em 2008, pela muitíssimo boa tradução de João Barrento do "Homem sem Qualidades", editado pelas Edições Dom Quixote.
Continuo, recorrentemente, às voltas com o texto/conferência, apresentado em Viena a 11 de Março de 1937, que Robert Musil fez "Sobre a Estupidez".

Então a besta nazi já tudo tinha corrompido, na Alemanha.

Todo o texto é de uma pré clara eficiência e actualidade.

Vale por isso a pena lê-lo ou relê-lo.

Para recuperarmos o contacto com Musil, uma citação:

"Fala-se hoje duma crise de confiança no humanismo, duma crise que ameaçará a confiança que todos colocamos no homem até aqui; poderíamos falar duma espécie de pânico que estaria a suceder à segurança onde nos encontrávamos ao ponto de levar a nossa barca sobre o signo da liberdade e da razão.

E não devemos dissimular que esses dois conceitos morais que também se alastram à moral da criação artística:liberdade e razão, conceitos que a idade clássica do cosmopolitismo alemão nos havia legado como critérios da dignidade humana,começaram a dar sinais, desde o meio do século XIX, ou um pouco mais tarde, de decrepitude. Deixaram de ter «validade», deixamos de saber o que fazer com eles; e se os deixamos secar, estiolar, o mérito é menos dos seus adversários do que dos seus defensores."

 

O que a seguir se desenrolou todos o sabemos.

A hecatombe, a Shoa, o genocídio e a barbárie que se abateu sobre a Europa e no mundo inteiro, deu ilustração cabal a este texto de Musil.

A mim, parece-me, da maior utilidade e actualidade, tanto no plano nacional, como na dimensão planetária.
J.A.

PS-Musil avisou. Hoje, quem nos avisa? Mario Soares, nomeadamente.

 

tags:

publicado por weber às 22:53
link do post | comentar
| | partilhar

.pesquisar

 

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...