Sábado, 30 de Maio de 2009

Alexandre O'Neill em mirandês

Pertual

 

Á Pertual, se furas solo trés sílabas,

galana bista pa l mar

Minho berde, Algarbe de cal,

burrico a ranhir l spinaço de la tierra,

xordo i menudico,

molino a las buoltas cun un aire

de touro, mas anfolhado i, na fin, amigo,

se furas solo l sal, l sol, l sul,

l fino pardal,

l manso bui falador,

la sardina que pinga ne l pan,

la znalgada barina,

l screbidor que scribe bien i nun diç nada,

la muda queixa almendrada

duns uolhos pestanhudos,

se furas solo la checharra de l berano, de ls stilos,

l anferrujado perro sganado de las praias,

l grilo angaiolado, la grila ne l beiço,

l calendairo an la parede, l amblema an la gola,

á Pertual, se furas solo trés sílabas,

de plástico, que era más barato!

 

 

Doceiras d’Amarante, caqueiros de Barcelos,

rendeiras de Biana, toureiros de la Golegã,

nun hai “papo-d’anjo” que seia l miu derriço,

galho que cante a quelores ne l miu almairo,

albura rendada pa ls mius suonhos,

garrochilha que puoda anfeitar-me l cachaço.

Pertual: question que tengo cumigo mesmo,

facada até al uosso, fame sin antreten,

perdigueiro maluco i sien narizes, sien perdizes,

cabalhico angraixado,

feira ambergonhada,

mie matacion,

mie matacion de todos nós ...

 

 

(Alexandre O’Neill)

Traduçon de Fracisco Niebro

  

[an pertués:

 

Portugal

  

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,

linda vista para o mar,

Minho verde, Algarve de cal,

jerico rapando o espinhaço da terra,

surdo e miudinho,

moinho a braços com um vento

testarudo, mas embolado e, afinal, amigo

se fosses só o sal, o sol, o sul,

o ladino pardal,

o manso boi coloquial,

a rechinante sardinha,

a desancada varina,

o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,

a muda queixa amendoada

duns olhos pestanídios,

se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,

o ferrugento cão asmático das praias,

o grilo engaiolado, a grila no lábio,

o calendário na parede, o emblema na lapela,

ó Portugal, se fosses só trés sílabas

de plástico, que era mais barato!

 

 

Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,

rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,

não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,

galo que cante a cores na minha prateleira,

alvura arrendada para o meu devaneio,

bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.

Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,

golpe até ao osso, fome sem entretém,

perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,

rocim engraxado,

feira cabisbaixa,

meu remorso,

meu remorso de todos nós ...]


 

(publicado em mirandês e em português por Amadeu Ferreira no seu blog "Cumo quien bai de camino"


publicado por weber às 00:21
link do post | comentar
| | partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...