Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Luíza Neto Jorge

Sofridas amoras

As sofridas amoras
dos valados
os fogosos espinhos
que coroam os cardos

 

Saltam ao caminho
a sangrar-me a veia
do poema.

 

(Luiza Neto Jorge)
poèmes
Par le Feu

A Lume                         
Édition Bilingue Français-Portugais
Le Passeur

 

tags:

publicado por weber às 16:17
link do post | comentar
| | partilhar

. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.pesquisar

 

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...