Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Luiza Neto Jorge

A magnólia

A exaltação do mínimo,
e o magnífico relâmpago
do acontecimento mestre
restituem-me a forma
o meu resplendor.

Um diminuto berço me recolhe
onde a palavra se elide
na matéria - na metáfora -
necessária,e leve, a cada um
onde se ecoa e resvala. 

 

A magnólia,
o som que se desenvolve nela
quando pronunciada,
é um exaltado aroma
perdido na tempestade,

 

um mínimo ente magnífico
desfolhando relâmpagos
sobre mim.

 

 

(Luiza Neto Jorge)
in "O seu a seu tempo"
Poesia
Assírio & Alvim
2ª edição
2001

 

tags:

publicado por weber às 16:09
link do post | comentar
| | partilhar

.pesquisar

 

.posts recentes

. The End

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.últ. comentários

Chame-me Parvo….Pois é, Sr. Pedro Tadeu, é isso me...